Site Autárquico de Beja


TRILHOS DA BIODIVERSIDADE

O Concelho de Beja, de localização privilegiada para atividades de observação e fruição da Natureza possui um enorme potencial para a diversidade biológica, constituindo-se como um dos concelhos mais representativos no que concerne a essa mesma biodiversidade no nosso País. 

O seu enquadramento geográfico é privilegiado, não só para encontrar as espécies biológicas que possam ocorrer na área do Concelho, mas funcionando claramente como localização estratégica para quem, vindo de fora, pretenda mergulhar num mosaico de diversidade.

Ocorrem na área do Concelho e limítrofes mais de duas centenas de espécies de aves. 
Poderão ocorrer cerca de 200 a 250 das 292 espécies, Migradoras ou Sedentárias reportadas para o Distrito de Beja (1).
Existem claramente definidos para o Concelho vários “hot spots” para a observação de aves sendo que a variabilidade de espécies se conjuga com a diversidade da morfologia do terreno, das massas hídricas presentes e da maior ou menor intervenção humana.

Desses “hot spots” para avifauna destacam-se sem margem para dúvidas:

  • Todo o curso do Rio Guadiana, da confluência da Ribeira de Odearça até á confluência com a Ribeira de Terges e Cobres.
  • A Barragem do Pisão, em Beringel e Trigaches e as Barragens dos Coitos e Diabrória perto da Base Aérea e Aeroporto de Beja.
  • A zona de peneplanície Azinhalinho/Trindade/Albernoa confinante com a ZPE de Castro Verde.
  • A Ribeira de Terges e Cobres da ponte da EN Beja - Mértola até á confluência com o Rio Guadiana e a Ribeira de Odearça desde a Ponte do IP2 a Norte de S.Matias até á confluência com o Rio Guadiana na denominada Varginha.
  •  A Barragem do Roxo na zona de Santa Vitória e Mina da Juliana.
  • A zona do Monte da Apariça/Torre do Pinto, confinante com S.Matias, com bom potencial para aves de Planície e estepárias


As espécies a observar são as mais diversas, desde Anatídeos a Passeriformes, Limícolas e Aves de Rapina.
A Águia-pesqueira (Pandíon haeliatus), o Rouxinol-do-mato (Cercotrichas galactotes) a Toutinegra-do-mato (Sylvia undata) ou o Cortiçol-de-barriga-negra (Pterocles orientalis) são observáveis no Concelho.

As massas hídricas referidas constituem-se como um muito importante ponto de passagem, repouso e alimentação de aves migratórias bem como local de nidificação de muitas espécies de aves ribeirinhas e aquáticas. 
Um raro visitante, a Garça-branca-grande (Casmerodius alba) tem sido detectado com regularidade na Barragem do Pisão e em algumas outras massas hídricas do Concelho.

Existe na área do Concelho uma enorme diversidade de insetos, dado que o Clima Mediterrânico da Região é propício a eclosões ao longo de praticamente todo o ano.
Borboletas diurnas e noturnas, Libélulas e um sem número de outros insetos povoam o dia e a noite, oferecendo possibilidades infinitas para a fotografia de natureza, na disciplina de macrofotografia.

Uma grande diversidade de Répteis e Anfíbios proporcionará a delícia dos Herpetologistas, ocorrendo na área do Concelho de Beja algumas espécies de enorme interesse como a Cobra-de-capuz (Macroprotodon cucculatus) ou a Cobra-de-pernas-pentadáctila (Chalcites bedriagai). Embora em baixas densidades será possível observar a rara Osga-turca (Hemidactilus turcicus) e o Cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis)
 Entre os anfíbios merecem destaque o Sapinho-de-verrugas-verdes-ibérico (Pelodytes ibericus) e o Sapo-parteiro-ibérico (Alytes cisternasi)
A Flora do Concelho é variada, beneficiando dos afloramentos calcáreos com espécies típicas como as Orquídeas, com várias espécies de grande interesse botânico como a Ophrys speculum ou a Barlia robertiana.

Na galeria ripícola do Guadiana e das ribeiras de Terges e Cobres e Odearça, pese embora alguma intervenção humana ainda é possível observar trechos de Matagal Mediterrâneo,encontrando-se ainda muitos espaços de Montado de Azinho com sub-bosque mediterrânico de Esteva, Murta e Carrasco. Nas galerias ripícolas é frequente o Loendro.
Existe um raro endemismo, uma linaria (Linaria ricardoi) única no Mundo, que é possível observar na zona mais confinante com os Concelhos de Cuba e Ferreira do Alentejo.

Para além das potencialidades do Concelho propriamente dito, este encontra-se no eixo de centralidade de algumas zonas de muito interesse no que concerne a observação e estudo da Natureza, de que se destaca:

  • A Zona de Proteção Especial de Castro Verde (Aves Estepárias, Aves de Rapina) cerca de 40 km a Sul.
  • A Zona de interesse Ornitológico de Moura/Barrancos e o Parque de Natureza de Noudar, cerca de 100km a NNE.A possibilidade de fotografar, em época própria e em abrigo o Abutre-negro (Aegyptus monachus), o Grifo (Gyps fulvus) e o Britango (Neophron percnopterus) na Herdade da Contenda , em Moura(2).
  • As Barragens dos Patos e Peneireiro, perto de Alfundão/Ferreira do Alentejo, importante zona de invernada de anatídeos e limícolas.
  • O Parque Natural do Vale do Guadiana, confinante a Sul , com a Sede , em Mértola a cerca de 50 km.
  • A serra de Ficalho/Adiça, de substrato calcáreo com matagal mediterrânico e um importante reservatório biológico de Orquídeas de que se destaca a rara Orchis collina a cerca de 60 km a Este de Beja.

 

O Concelho de Beja constitui, portanto um ponto de paragem e estadia obrigatório e estratégico para Ornitólogos, Entomologistas e Herpetólogos podendo, nas épocas próprias, fruir doavistamento, observação e estudo de uma assinalável diversidade de espécies. De igual forma os apaixonados da Botânica poderão encontrar na área deste Concelho um imenso potencial de observação, registo e estudo de espécies da nossa Flora Selvagem.

(1) Portal “Avesdeportugal.info”
(2) Esclarecimentos na Camara Municipal de Moura